Category: Direitos Humanos

Ditadura ensinou técnicas de tortura à Guarda Rural Indígena

Assistam ao vídeo com cena inédita que mostra que a prática de tortura era institucionalizada no Brasil da ditadura militar:

Depois de 3 meses de curso no Batalhão-escola da PM-MG, os indígenas da Guarda Rural Indígena aprenderam a usar o pau-de-arara. Divulgue esse vídeo e partícipe do esforço de levantarmos subsídios para a Comissão Nacional da Verdade apurar as violações de direitos humanos contra os povos indíogenas do Brasil.

Nunca havia surgido cena tão contundente sobre a institucionalização da tortura no Brasil.

Ler matéria completa na Folha SP: http://www1.folha.uol.com.br/ilustrissima/1182605-como-a-ditadura-ensinou-tecnicas-de-tortura-a-guarda-rural-indigena.shtml

TWITAÇO #SouGuaraniKaiowa – 07/11 – 22h.

TWITAÇO #SouGuaraniKaiowa
Dia 07/11 (quarta) – a partir das 22h.

DIVULGUE!

PARTICIPE DO ATO NACIONAL EM APOIO AO POVO GUARANI-KAIOWÁ: http://www.facebook.com/events/369586459794695/

ATO EM SÃO PAULO – SEXTA – 09/11 – ÀS 13H NO MASP, AVENIDA PAULISTA: https://www.facebook.com/events/172416519564749/

Reunião de organização do ato Copa pra Quem? dia 13/11 as 18h

Via Comitê Popular da Copa de São Paulo

Desde que o Brasil foi anunciado sede da Copa do Mundo de 2014, diversos impactos tem sido sentidos pela população. Em vez de ser motivo de celebração do esporte mais popular do país e melhoria na vida das pessoas da cidade, a preparação para este megaevento tem sido utilizada para aumentar, acelerar, e intensificar violações de direitos humanos: Remoções forçadas de milhares de pessoas de suas casas sem alternativa de moradia digna para dar lugar a obras viárias, expulsão da população em situação de rua do centro da cidade num claro processo de limpeza social, precarização dos direitos e condições de trabalho daqueles que constróem as obras, perseguição aos trabalhadores ambulantes, impedidos de trabalhar, militarização da cidade com diversas operações policiais que tem como alvo criminalizar, reprimir e exterminar a própria população – especialmente pobres, negros e periféricos, e os movimentos sociais – além da aplicação de mais de 30 bilhões de reais – dinheiro público – em obras para um evento que será acessível a poucos e que tanta falta faz na saúde, educação, moradia, transporte e no próprio esporte…

Pensando nesses impactos e na possibilidade de organização popular para resistir e fazer o contraponto a este processo, e entendendo que o futebol é do povo e não de cartolas, entidades privadas como a FIFA, corporações como a Coca Cola, governos ou empreiteiras.

O Comitê Popular da Copa SP – grupo aberto de articulação e resistência contra impactos e violações de direitos humanos da Copa do Mundo de 2014 em SP – convida movimentos sociais, organizações e entidades de defesa dos direitos humanos, coletivos autônomos, artistas, jornalistas, estudantes, pesquisadores/as e trabalhadores/as em geral para que se somem à organização de um grande ato dia 1º de dezembro, data do sorteio das chaves da Copa das Confederações da FIFA em SP, com concentração a partir das 13h em frente à Ocupação da Rua Mauá, quando perguntaremos aos governos responsáveis por essa situação, afinal, “COPA PRA QUEM?”

As reuniões para organização do ato são abertas e tem acontecido às terças feiras na Rua Mauá, n.340. A próxima reunião será esta terça-feira dia 13/11 as 18h.
Contato: comitepopulardacopasp@gmail.com

VEJA COMO CONTRIBUIR COM A RESISTENCIA DOS GUARANI KAIOWÁ

Via COMITÊ INTERNACIONAL DE SOLIDARIEDADE AO POVO GUARANI e KAIOWÁ

Você pode contribuir da seguinte forma: divulgar o blog do comitê: www.solidariedadeguaranikaiowa.wordpress.com, divulgar e curtir nossa página no facebook: https://www.facebook.com/SolidariedadeAoPovoGuaraniKaiowa, divulgar nossos cartazes e videos pelo facebook, organizar palestras e atividades proximo de sua casa, na escola, na faculdade, pode realizar eventos beneficentes, como almoços, teatro, mostra de cinema, show de cantores, sarau, para arrecadação de fundos para as aldeias e pode também participar da campanha de arrecadação de alimentos e livros e ou sugerir outra forma de contribuir.

Se vc mora em São Paulo, pode encaminhar os alimentos arrecadados em um dos endereços de ponto de arrecadação divulgado no blog, tem 2 na USP, cidade universitária e um em perdizes, na APROPUC, ao lado da PUC-SP. Se vc mora em outra cidade, terá que nos informar a quantidade e a cidade pra tentarmos retirar. Se morar fora da Grande São Paulo, deve buscar ajuda em algum sindicato ou outra organização para enviar até Dourados, lá o ponto de arrecadação é o DCE da UFGD. Para Doações em dinheiro entre em contato pelo e-mail: solidariedadeguaranikaiowa@gmail.com

Mais um torturador é esculachado em São Paulo

Via Passa Palavra

Cerca de 70 pessoas participaram neste sábado, 20 de outubro, de mais uma ação da Frente de Esculacho Popular (FEP) em São Paulo. Desta vez, o torturador a perder seu sossego foi Homero César Machado, chefe das equipes de interrogatório do DOI-Codi, órgão oficial de repressão política da ditadura.

Homero C. Machado.Rua Manoel da Nóbrega, 577, apto. 72 – São Paulo-SP

Entre os militantes da época, o Capitão Homero é conhecido por ter sofisticado algumas técnicas de tortura entre 1969 e 1974, como os choques elétricos e o pau-de-arara. Sem nunca ter sido julgado ou processado, o militar reformado que comandou a tortura de vários militantes nos porões da rua Tutoia vive atualmente no número 577 da rua Manoel da Nóbrega, onde a ação se concentrou.

Desde às 12h, os militantes se concentravam na esquina da Avenida Paulista com a Avenida Brigadeiro Luiz Antônio. Pouco depois de armarem seus estandartes e faixas, e ao som da Fanfarra do M.A.L., os manifestantes partiram pela Av. Paulista, chegando a tomar uma das pistas, e dirigiram-se à frente do prédio de Homero.

Continue lendo →

Carta da comunidade Guarani-Kaiowá de Pyelito Kue/Mbarakay-Iguatemi-MS para o Governo e Justiça do Brasil

Nós (50 homens, 50 mulheres, 70 crianças) comunidades Guarani-Kaiowá originárias de tekoha Pyelito kue/Mbrakay, vimos através desta carta apresentar a nossa situação histórica e decisão definitiva diante de despacho/ordem de nossa expulsão/despejo expressado pela Justiça Federal de Navirai-MS, conforme o processo nº 0000032-87.2012.4.03.6006, em 29/09/2012. Recebemos esta informação de que nós comunidades, logo seremos atacada, violentada e expulsa da margem do rio pela própria Justiça Federal de Navirai-MS. Assim, fica evidente para nós, que a própria ação da Justiça Federal gera e aumenta as violências contra as nossas vidas, ignorando os nossos direitos de sobreviver na margem de um rio e próximo de nosso território tradicional Pyelito Kue/Mbarakay. Assim, entendemos claramente que esta decisão da Justiça Federal de Navirai-MS é parte da ação de genocídio/extermínio histórico de povo indígena/nativo/autóctone do MS/Brasil, isto é, a própria ação da Justiça Federal está violentando e exterminado e as nossas vidas. Queremos deixar evidente ao Governo e Justiça Federal que por fim, já perdemos a esperança de sobreviver dignamente e sem violência em nosso território antigo, não acreditamos mais na Justiça Brasileira. A quem vamos denunciar as violências praticadas contra nossas vidas?? Para qual Justiça do Brasil?? Se a própria Justiça Federal está gerando e alimentando violências contra nós. Nós já avaliamos a nossa situação atual e concluímos que vamos morrer todos mesmo em pouco tempo, não temos e nem teremos perspectiva de vida digna e justa tanto aqui na margem do rio quanto longe daqui. Estamos aqui acampados 50 metros de rio Hovy onde já ocorreram 4 mortos, sendo 2 morreram por meio de suicídio, 2 morte em decorrência de espancamento e tortura de pistoleiros das fazendas. Moramos na margem deste rio Hovy há mais de um (01) ano, estamos sem assistência nenhuma, isolada, cercado de pistoleiros e resistimos até hoje. Comemos comida uma vez por dia. Tudo isso passamos dia-a-dia para recuperar o nosso território antigo Pyleito Kue/Mbarakay.

De fato, sabemos muito bem que no centro desse nosso território antigo estão enterrados vários os nossos avôs e avós, bisavôs e bisavós, ali estão o cemitérios de todos nossos antepassados. Cientes desse fato histórico, nós já vamos e queremos ser morto e enterrado junto aos nossos antepassados aqui mesmo onde estamos hoje, por isso, pedimos ao Governo e Justiça Federal para não decretar a ordem de despejo/expulsão, mas solicitamos para decretar a nossa morte coletiva e para enterrar nós todos aqui. Pedimos, de uma vez por todas, para decretar a nossa dizimação/extinção total, além de enviar vários tratores para cavar um grande buraco para jogar e enterrar os nossos corpos. Esse é nosso pedido aos juízes federais. Já aguardamos esta decisão da Justiça Federal, Assim, é para decretar a nossa morte coletiva Guarani e Kaiowá de Pyelito Kue/Mbarakay e para enterrar-nos todos aqui. Visto que decidimos integralmente a não sairmos daqui com vida e nem morto e sabemos que não temos mais chance em sobreviver dignamente aqui em nosso território antigo, já sofremos muito e estamos todos massacrados e morrendo de modo acelerado. Sabemos que seremos expulsas daqui da margem do rio pela justiça, porém não vamos sair da margem do rio. Como um povo nativo/indígena histórico, decidimos meramente em ser morto coletivamente aqui. Não temos outra opção, esta é a nossa última decisão unânime diante do despacho da Justiça Federal de Navirai-MS.

Atenciosamente,

Tekoha Pyelito Kue/Mbarakay-Iguatemi-MS, 08 de outubro de 2012

170 comunidade Guarani-Kaiowá de Pyelito Kue/Mbarakay

Continue lendo →

20 ANOS DO “MASSACRE DO CARANDIRU” – MANIFESTO DA REDE 2 DE OUTUBRO

Via Rede 2 de Outubro

2 de outubro de 1992: uma pequena desavença entre presidiários do pavilhão 9 da Casa de Detenção do Carandiru se transforma em uma rebelião desprovida de viés reivindicativo ou de fuga. Apesar disso, o Governo Estadual da época determinou a invasão da Casa de Detenção por centenas de policiais militares que exterminaram a sangue frio, no mínimo, 111 pessoas desarmadas e desesperadas. Foi a maior chacina da história do sistema penitenciário brasileiro, fato nomeado historicamente como o “Massacre do Carandiru”.

Só comparável aos grandes massacres indígenas e africanos do período Escravocrata, e aos massacres de grandes rebeliões populares ao longo da toda história do país, como Palmares e Canudos, a “lógica dos massacres” no entanto permanece presente hoje, e até intensificada. A exemplo do que ocorreu em relação às prisões, torturas e assassinatos da Ditadura Civil-Militar brasileira (1964-1988), também em relação ao “Massacre do Carandiru”, ocorrido em pleno regime ‘democrático’, operou-se e ainda se opera uma série de medidas para negar às vítimas e à sociedade o Direito à Memória, à Verdade e à Justiça.

Continue lendo →

Corão da Mentira – 2º Desfile: Quando vai acabar o genocídio popular?

Via Cordão da Mentira


CORDÃO DA MENTIRA ESTÁ DE VOLTA! ou AS RUAS SÃO PARA LUTAR! (e quem não luta, dança).

O Cordão sairá às ruas no dia 29 de setembro (sábado) com o tema “Quando vai acabar o Genocídio Popular?”. A concentração é a partir das 11h, no Largo General Osório, onde terminamos o desfile passado.

Continue lendo →

#Moinho Resiste!

[youtube]Ah_O6tNADIc[/youtube]

SÁBADO – 15H – ENCONTRO COMUNIDADES INCENDIADAS

Sábado (22/09), às 15h, vai acontecer um encontro das várias comunidades de São Paulo que foram atingidas por incêncios criminosos nos últimos tempos.

Todxs estão convidados à chegar junto e colaborar nessa articulação. Será na OCUPAÇÃO MAUÁ, que fica na Rua Mauá, 340 – ao lado da estação da Luz.